segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

gerúndio e o espírito juvenil que nos habita

surge
            arduamente
sujo
jovem
formidável


gere-lhe                      gerencia-o
o espírito juvenil que nos habita
da melhor forma impossível
habitat palafita
sem plano
difuso
sem retas
irônico o lume intenso
engraçados os seres dos outros planetas
gargalhadas sinceras
contrassensos


impuro cedo
orgulhosamente
no coração do seu fim
sertão puro
envereda
e se desfaz
a rir
zelosamente
até não ser mais
andrejcaetano        
Sohrab Hura_Magnum Photos

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

gerúndio beija o astrolábio

                       Gerúndio envelhece só no mundo com cafeína nicotina e pastilhas sentimentais
                        intermediário entre uma chuva e outra
                        dígito-eletrônico
                                    [com instruções minuciosas e imprecisas]
                        cervejas macumbas cerejas
                        comprimidos de de-vez-em-quando
                        documentária sobre instrumento outrora tão poderoso
                                    [da altura das estrelas foi a expansão ultramarina]

            envelhece uma pústula infectada e invisível
                        bicho bronco de corpo cromo e asas alvas
                        bicho tosco que o raio do pós-romantismo partiu

            envelhece a puta-que-o-pariu três vezes
                        a pergunta sobre a função da obra de arte
                        a função da obra de arte
                        a obra de arte
                        [e o que quer que seja aquilo ali]
           
envelhece piados em tuítes postes em facebooks imagens instagramáticas
entupindo os circuitos neuronais com limites e derivadas insolúveis

envelhece nas regiões metropolitanas
linhaça   germe de trigo  
glúten-on/glúten-off
farmaco farmarculorum y drogas manipuladas
manteiga-margarina-margarina-
manteiga!

envelhece no reino do design gráfico
as proporções os formatos
os tipos as fontes
as tetas das letras gregas
fórmulas para tudo e qualquer coisa
pois quanto mais formulaico menos autonomia
quanto menos autonomia mais autocrática a ideologia
                                                                        a verdade da palavra coisa
                                                                        os parâmetros do modelo
                                                                        e o que quer que seja aquilo ali

envelhece com e sem gozo
dependendo da estação do ano
do dia
da hora
do cheiro
da substância

envelhece também nas áreas urbanas não-metropolitanas e no campo

envelhece como adolesceu
pleonasmo de si mesmo
cisne-asno
querendo beijar o astrolábio
andrejcaetano
Elliot Erwitt

sábado, 6 de janeiro de 2018

quatro dias de novembro

tô pouco me fodendo se o fulano é ostrogodo ou visigodo. eu sei que ele é godo. e zé sidney é avestruz de si mesmo. remedies é remendo. bonny é bonita. walkíria mora no planalto e faz comércio exterior de si mesma. o corpo de aderbal é muito bonito. guilherme tem um bmw. josafá terminou o noivado e juliana vai mal no seu. angelina vai comprar computador. em 1982 a gente podia ficar bebendo até o amanhecer e acordar desfigurado. aleluia para faustos. sem saudades dos idos de 82. zé mário ganhou um sorteio de shopping. o tropicalismo acabou de te encarar (26/11) 28 de novembro de minha vida e o menino esgoela enquanto eu fumo meu cigarro nabaculê. pavorosos esses assassinatos com tantos ésses. a arte não consegue fazer nada e as pessoas também ficam procurando um buraco mas tudo é muito trágico e/ou prosaico. anastomose é uma forma de se evitar solução radical. esclerose de tampa. na primeira forma é melhor o caderno do que o software. o caderno é mais eu mesmo bem-te-vi amanhecendo. e lá se vai um cavalo galopando. ana wanda está na escócia. eu não conheço ana wanda. mas quem conhece informa que ela está na escócia (28/11) jezebel entreabriu as pernas, fincou os pés no chão, plantou as mãos nas ancas e me encarou. que coisa mais linda! meu deus do céu! isso já foi em outro dia e eu sei que a gente fica sozinho no final mas se você conhecesse a jezebel nessa disposição você também saberia. eu só soube um sorriso do tamanho de uma locomotiva rffsa. até que ela sorrisse também. um sorriso quatrocentosvagões (29/11) hoje eu não pensei em nada para escrever mas o dia foi muito bonito de um azul quase veranil. enquanto as outras partes configuram suas férias eu fico pensando se o governo federal vai mesmo recompor as perdas da inflação. inflação. calango na pedra tomando sol. eu tive fazenda de avô na criança. é. foi sim. joão de barro. pescaria de peneira. amor só co-fundiu a vida depois que a vida fica mesmo fundida. foi sim. como sói de ser (30/11)
[Alfred Statle (x)]
andrejcaetano

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

da função logarítmica do espaço

Ms Wald piscou para o marido,
pegou a tigela de milho
e foi para o terreiro alimentar as galinhas.
Mr Wald olhou através da janela.
Um sol vermelho,
fios, fiapos, novelos de nuvens
tecendo o céu.

E um ônibus espacial passou.
Log de lindo.

A astronauta viu a Babilônia,
o Egito ancião,
os hititas,
a faixa sagrada entre o Tigre e o Eufrates,
um mar todo vermelho,
outro todo morto,
os claros do escuro,
a pequenez da terra santa,
a metade de um homem descendo um morro
sem quintal, sem sol, sem céu.
Uma metade de gente.

O ônibus espacial passou.
Log de mundo.
andrejcaetano [Austin 1997]
Alfonso Maseda Valera

sábado, 9 de dezembro de 2017

tatuagens

é essa ideia de que as ondas e as hordas
que os cheiros os feitos e os afetos
vieram lá de trás
ao longo
em lombo de navio
que faz um sujeito olhar a roupa por lavar
e se perder Ibrahim em seu trompete
não relembrando nada
apenas mirando o que ele sempre veste
tudo que foi e deixou de ser
o que não lhe compete
sua infância rural emigrando urbana
demograficamente nunca mais se repete
curiosidades contadas por um velho
tudo que você podia ser era confete
que se coma presente em sabor e sensação
com as substanciações ninguém se mete
que o sem fim é uma âncora na sibéria
um beijo seco em trieste
um prato de feijão em tijuana
um cafarnaum em budapeste
um lavar a roupa suja de quase nada
não fosse o trompete
que faz esta poesia a única saída
se passada a limpo der em algo que preste
sem os subterfúgios da alma perplexa
ou de uma estrela no céu do agreste
que tudo que se tem é carne viva
é nela que tudo acontece
andrejcaetano
Bruce Davidson

domingo, 12 de novembro de 2017

sábado, 4 de novembro de 2017

misstep

a step at the heart
hard to take
hard to think of
[how come at this juncture another start?]

and if you can’t take it
this small juvenile stupid step
if you can’t dare to bear
this tiny ridiculously heartfelt pace
seemingly a misstep
don’t say anything
don’t tell any story
don’t hold any hand
don’t bother with weaselled tears
just stand there dully
watching your ashen hearts burn apiece

if you can move yourself though
and even crawling
get at the brink of the cliff
just fall
fail
die
to everything and all
stand tall
as you enter the reign of your desires
as you disappear amidst the stars
andrejcaetano
?

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

da função psiquiátrica da noite

Por que eu fico à noite
             eu fico a noite
             a noite fica eu
             nós dois sozinhos
             cobertor e breu

O que à noite é nada
             um tempo
             parada
             o que a noite não pede nem dá
                        um suspiro
                        um ai
                        uma macarronada
na manhã se desfaz
entupindo de coisas os oásis

[até a poesia se suja nas tintas
que as pessoas vestem]

Por que a noite vai
            ela joga eu
            no colo da manhã

De dia a noite vira eu
bípede teso refluxivo
meditabundo
vomitativo
andrejcaetano
Hengki Koentjoro

sábado, 2 de setembro de 2017

soneto da cidadania

Eu devo a mim mesmo um poema remanso
            Que saia vista a minha cabeça
            Um poema esconso
            Vítima herói e grande lambança

Não devo nada a mim mesmo
            Uma cidade-Sidney que desapareça
            Cachaça e seu antídoto torresmo
            Um souvenir que apague a lembrança

Ninguém deve nada a ninguém
            Vida imagem tranquilidade
A paz não mora em outrem

Toneladas de irrealidades
Milhares de estações de trem
            Tu és cidadão de qual cidade?
andrejcaetano
[Tim Corbeel]

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

resposta-telegrama pcc

recebi teu telegrama
sim      sei lá
as duas primeiras frases
vêm dos deuses
dizem
e o resto
é
às vezes vômito
às vezes alma
[quase sempre
a mesma coisa]

um abraço é que era pra gente se dar
nesta madrugada
neste lençol azul
deste arco-íris de setembro

[são duas horas da manhã
e escrever é um mar]

felicidades aí
nesse teu amor já tão duradouro
isso é ouro
mais eu não sei
que os meus foram fugazes
depois
nunca mais

e agora? sei lá
algumas vezes tento listar
e é tanto
o que tenho a fazer
que desembesto
e basto
e paro
antes de começar

e escrevo
que escrever é que é o mar

passa um jato no céu
o rastro alvo de um arco-íris no liquidificador

falando nisso
proponho
que você continue muito morena
e decrete que permaneçamos
a margem esquerda do rio doce

liga não
escrever é assim
um mar
e é te ter neste lençol azul de setembro
andrejcaetano - 1985
Dean Hampney